Tuesday, 7 June 2011

não cabe na música

vou ver navio passar
vou tentar me aprumar
vou pegar vento do norte
vou encarar a morte
pra entender da vida
basta um pouco de sorte
e atrás dela eu vou

sempre que o céu nos meus ombros encosta
e me lembra dos dias que estão por vir

penso na reta e na seta
no alvo, no tiro certeiro
penso em caber no momento
que é sempre passageiro
sou o exageiro
nao caibo dentro de mim
entao eu me espalho

me leva o vento até um pensamento
faço voltas na letras, trago palavras feitas

vou ver estrela passar
riscando o tempo no céu
e se o tempo me permitir
entender que eu sou
rio fora do leito
encanador de palavras
zé de poucos feitos

sou poetinha menor
sou um zé de ideias e letras
sou ponta sem nó

No comments:

Post a Comment