Monday, 14 September 2009

medidas

tinha uma perna curta, a outra era longa. Ou tinha uma das pernas longa demais?
toda vez que comprava uma calça tinha que levar no alfaiate. Os sapatos, depois de anos de tropeções e tombos, agora levavam sempre um salto para compensar a diferença. Mesmo assim andava meio torta.

5 comments:

  1. ela via as coisas em diferentes planos...!

    ReplyDelete
  2. via sim ticiana! mas me parece que o que ela nao entende até hoje é como ela, sendo quem é, pode desejar tanto a uniformidade? ou seria constancia o desejado? ou seria conforto? ou seria um desejo de transitar sempre pela normalidade o que ela tinha de mais forte?

    ReplyDelete
  3. seria...?gostei do anonymous... besitos

    ReplyDelete
  4. eu tambem tenho gostado dele. mas imagino que sejam muitos esses anonymous. num outro post ele era a minha irma :) ja nesse nao é ela..
    é, anonymous, acho que todos nos queremos- em algum momento, o conforto de reconhecer quem somos. e esse reconhecimento de si mesmo, acho eu, vem (as vezes) de uma constancia, quase que um linha uniforme que junte os pontos. essa coisa de indentidade fragmentada cansa! mas tambem é delicioso ser ponto fora da curva. e assim é a vida, uma coletania de associacoes, de colagem de fragmentos, de referencias e um buraco. o buraco é essencial :) ou nao?

    ReplyDelete
  5. ninguem quer ser linha uniforme que junte os pontos! mas com certeza o buraco é essencial. o que falta. o que nao é. o que nao sabemos.

    ReplyDelete